Compartilhe essa Notícia:

O governador do Maranhão defendeu a volta do auxílio emergencial e criticou posicionamento do Governo Federal


Na última segunda-feira (25), o presidente da República Jair Bolsonaro negou que o auxílio emergencial será prorrogado em 2021. De acordo com o chefe do Executivo, o benefício não é uma aposentadoria.

Bolsonaro falou isso a um apoiador na entrada do Palácio da Alvorada ao ser questionado pelo homem sobre um novo auxílio, o presidente rebateu:

“Não, eu não vou… converso isso com o Paulo Guedes, contigo não. A palavra é emergencial. O que é emergencial? Não é duradouro, não é vitalício, não é aposentadoria. Lamento muita gente passando necessidade, mas a nossa capacidade de endividamento tá no limite”, destacou.

Sabe-se que a popularidade do Bolsonaro foi afetada nos últimos meses depois que o presidente decidiu que o benefício não será renovado.

Já na manhã dessa terça-feira (26), Flávio Dino, governador do Maranhão, defendeu a volta do auxílio e afirmou ser uma medida incontestavelmente sanitária e social, ainda que seja por um curto período. Além disso, relacionou o agravamento da crise econômica ao atraso da vacinação.

Além disso, Flávio Dino criticou a escolha das vacinas, ele destacou que é muito mais caro manter um paciente na UTI que ter investido na vacina Pfizer. Já que o presidente da república usou esse argumento para não ter realizado a compra.

Fonte - O Imparcial
⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

0 Comentários

Informe da ALEMA